MP arquivou denúncia contra vereador de Nova Castilho por vídeo polêmico

Na noite de ontem (6), a Câmara Municipal de Nova Castilho resolveu afastar o vereador Carlos Alberto da Silva (PSB), sob a acusação de quebra de decoro e improbidade administrativa, com base em um vídeo gravado durante um churrasco, em que o político brinca ter custeado as despesas do almoço com recursos públicos.

O vídeo, em questão, foi analisado pelo Ministério Público que decidiu arquivar as denúncias contra o então presidente da Câmara Municipal, em 30 de agosto de 2018.

Na decisão, a promotora de Justiça da Comarca de General Salgado, Júlia Alves Camargo, afirma que ‘após a análise do vídeo, verificou-se que a conduta do vereador trata-se, na verdade, de um escárnio sobre a simplicidade do churrasco que estaria realizando’ (sic).

Ainda no documento, para determinar o arquivamento da denúncia, a promotora também ressalta que não há indícios concretos sobre eventuais irregularidades em notas fiscais emitidas por prestadores de serviços, obras ou produtos comprados.

Entenda 

A votação que determinou o afastamento do vereador Carlos Alberto da Silva (PSB), ex-presidente da Casa, sob a acusação de quebra de decoro, contou com cinco votos a favor e três contrários ao afastamento.

A decisão surge meses depois da circulação de um vídeo, gravado no ano passado, durante uma pescaria, em que o próprio vereador brinca com amigos e insinua ter pago ‘notas frias’ com dinheiro da Câmara Municipal.

Desde então, pedidos de afastamento de Carlos Alberto da Silva haviam sido protocolados, mas eram arquivados, pois o parlamentar era presidente da Casa até o final de 2018.

Com a decisão do plenário da Câmara,  os vereadores nomearam a comissão processante que tem 60 dias para apurar os fatos, ouvir as testemunhas e apresentar parecer pedindo ou não a cassação do mandato.

Para o lugar de Carlos Alberto da Silva, assume a suplente Marlene Martins, do PTB.

Procurado, o vereador informa estar sendo vítima de perseguição política. “Minha defesa vai ingressar com um mandado de segurança, pedindo a anulação da sessão, pois houve uma afronta ao regimento interno”, afirma.

“Na esfera judicial, este processo já foi arquivado, pois o próprio Ministério Público, em agosto do ano passado, entendeu que foi apenas uma brincadeira da minha parte, como realmente foi”, completa.

Polêmica

Na gravação, Carlos Alberto da Silva afirma estar custeando o churrasco durante a pescaria com recursos do contribuinte. “Isso aqui (peças de picanha), Carlão, eu comprei com dinheiro público”, afirma.

O vereador também diz ter compro a propriedade rural, com 20 alqueires, também com desvios de dinheiro. “E tem mais três anos ainda”, lembra, dando a entender que a pratica ilícita continuaria.

A divulgação do vídeo nas redes sociais, no ano passado, gerou revolta nos moradores da pequena cidade de pouco mais de mil habitantes.

 

0 Comentários

Deixe sua mensagem

Login

Bem-vindo(a)! Acesse sua conta

Lembrar Esqueci minha senha.

Lost Password